.
.
.
.

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

World Music

Echoes of The World















  Muitos idiotas de narizes empinados costumam torcê-los diante do que se costuma chamar de World Music, que nada mais é que música de excelente qualidade produzida, amiúde, com marcante característica de  determinada cultura, baseada muito mais no acervo folclórico do que nas  tradicionais Escolas eruditas.
   Ora, o que se chama de música World, portanto, nada mais é que uma peça  musical polifônica, destinada a interpretação instrumental e vocal, muitas vezes  orquestral, não enquadrada em nenhuma corrente tradicional e com fortes  traços culturais da nacionalidade do compositor. Portanto, música de qualidade, dignificante da espécie humana, música que enleva a alma  enquanto eleva e dignifica a condição mundana desses seres planetários  ainda em formação que somos. Claro, a consecução desse mister está  diretamente ligada, tanto mais ou tanto menos, a  situação relativa ao  adiantamento espiritual do compositor, naturalmente, sem falar da  técnica de composição, do talento, da inspiração, da capacidade de  transformar esses surtos em notas musicais, etc. e etc..
   Posso dizer que, como blogueiro, sou editor bissexto, é fato, e todos já sabem o porquê, como já o expus em outras reportagens. Portanto, juro que não vou mais dizer aqui que só escrevo nas horas da angustia e da saudade, quando ouso soltar palavras aos quatro ventos, em busca de  ouvidos amistosos... Não, não vou mais dizê-lo! Mas, hoje, fui movido a escrever algumas bobagens, instigado pela leitura de um recado dum entendido em música, "um crítico", a um jovem editor  iniciante.
   A verdade é que deploro com veemência, e tenho deplorado por toda  minha miserável existência, como todos já estão fartos de saber, o que  se chama de crítica especializada, que sempre taxei de crítica  desespecializada.
   Ora, vi esse sujeito doidivanas aconselhar o tal blogueiro iniciante a não contaminar seu blog de Música Erudita, com porcarias World Music e New Age.   P.Q... Um caboclo desses, com toda certeza, mal distingue um Baião de Luiz Gonzaga duma fuga de Bach, (Vou logo advertindo que nada tenho contra o grande Luiz Gonzaga, que por sinal adoro, e o blog está  recheado de sua música)
   Aí, se o iniciante não tiver estrutura anterior bem formada nos meandros da música erudita? Se estiver, como é bem provável, usando o recurso eletrônico através da web para aprender e crescer pessoalmente, enquanto compartilha seu próprio acervo? O que é muito louvável, diga-se  de passagem. Não é muito difícil perceber que o iniciante, em tributo à grande figura do "crítico", passe incontinenti a torcer suas próprias ventas a tal música world...
   Juro, de pés juntos,  que não digo mais que nasci (literalmente) dentro de um Conservatório. Que a Música Erudita foi meu café da manhã, meu almoço e meu jantar durante mais de meio século, e que me embalou desde o jardim-de-infância até a universidade. Que minha mãe foi pianista, que a avó foi pianista, que o bisavô foi pianista, lá pras bandas da Europa...  Eu? Não, pelo menos nas salas internacionais, não! Sou é criador de bodes, como já sabem.
  E apesar da minha quase nula erudiçao, tenho uma opinião que me acompanha a meio século:
  Só um louco deixa de ver as "belezuras" de uma música só porque não é erudita, ou antes, não foi rotulada e carimbada convenientemente como  erudita, de Escola tal ou tal. A Música é tão mais espiritual que técnica, nada vale a técnica esmerada sem a divina inspiração. Sem aquela sublime força interior que vez por outra, passa a mover as mãos  do compositor, não poderia haver música somente baseada na técnica.  Compare Pachelbel com J.S.Bach, o que sobrou de técnica naquele, folgou em espiritualidade neste que aliada a imensurável técnica de composição,  deu no que deu!
    Bem, amigo leitor, abramos, portanto, nossos ouvidos e nossos  corações à toda produção artística honesta e, descubramos por nós  mesmos o que nos agrada ou nos desagrada. O que nos conduz a elevados  patamares. O que nos engrandece a alma e faz-nos pulsar ao ritmo do magnífico balet estelar das cósmicas amplitudes. O que nos arrebata com tranqüilidade a outros níveis vibracionais, e, enfim, ouçamos com o  coração, com o espírito e com os ouvidos!









cisum dlrow

Um comentário:

  1. A alguns anos eu ouvi e não me lembro de quem, que o crítico é aquele nunca aprendeu fazer nada.
    Fecha o pano.
    Abraços fortes.

    ResponderExcluir

'

'

Este Blog é corretamente visualizado com o Navegador FIREFOX . Portanto, se voce deseja redescobrir este Blog e a Grande Maioria dos Grandes Sites da Web, use o Navegador FIREFOX. O único totalmente compatível com Sites da Web 2.0, A ELITE DA INTERNET. Já usa o Firefox? Parabens! Ainda não tem? CLIQUE NA IMAGEM E FAÇA AGORA O DOWNLOAD TOTALMENTE GRATUITO e DESCUBRA UM "MUNDO NOVO" EM SEUS SITES PREFERIDOS!!!

Live Traffic

WARNIG:

This page is displayed correctly with Firefox. Screen Resolution 1024 by 768 pixels.
'











































'